domingo, 30 de outubro de 2016

PARTE 2, a ESPIRITUALIDADE da SABEDORIA

Vimos na reflexão da Sabedoria Espiritual 1 que Salomão foi o Sábio que olhou ao Terceiro Céu, e aí, começou a olhar pra vida na Terra junto de Deus. Ponto. Foi assim que ele escreveu seus famosos "Provérbios de Salomão": conselhos pra vida diária ditos em frases objetivas que descrevem tudo de bom pra nossa existência na Terra. Pensamentos pra vida da humanidade que surgiram a partir de uma Sabedoria mística. Pois trata-se de um conhecimento que Salomão pensou "junto" com Deus, portanto, reflexões que o espírito de Salomão analisou junto do Espírito de Deus - o que foi um relacionamento místico dos dois. Só pra comparar o Sábio Salomão com dois dos maiores Filósofos da história, dá pra lembrar que Platão reconheceu a alma como o estado anterior da presente razão humana, e assim levou pra sua mente todas as avaliações que podia fazer deste mundo; e Aristóteles percebeu o mundo como fonte de ordem pra conseguir um bom entendimento de toda a vida e humanidade. Agora, o que Salomão realmente fez foi procurar descobrir com quais princípios de Deus ele poderia melhor entender a criação e a humanidade. A partir daí, ele sentiu-se capaz de analisar toda vida humana pra dela extrair conselhos práticos ao cotidiano de todos nós. Sabedoria Espiritual, da boa, e bem completa, explicando tudo que é necessário saber, o que deve ser feito na vida, e também a hora certa de fazer alguma coisa. Mas afinal, do que falam esses Provérbios? Eugene Peterson resume assim, os temas dos bons provérbios:"a sabedoria tem relação direta com tornar-se preparado para honrar os pais, criar nossos filhos, lidar com dinheiro, conduzir a sexualidade, trabalhar e exercitar liderança, usar bem as palavras, tratar os amigos com gentileza, comer e beber saudavelmente, cultivar emoções e atitudes em relação aos outros de modo pacífico." É isso, gente. Haja sabedoria! Pois eis aqui bons conselhos pra você aproveitar da melhor maneira "toda" vida que existe debaixo dos céus e encima da terra. Por que não? Vale saber que o rico estilo sapiencial de Provérbios apresenta a "Sabedoria" como um "ser" em si mesmo, que sai às ruas e grita pra chamar os ignorantes e enganados, a fim de que logo se encontrem com "ela". Único jeito de mudarem de vida, pra melhor. É uma personificação da sabedoria, recurso literário que declara uma "vida pessoal" ao entendimento que se pode ter das coisas. Como se as palavras pudessem existir assim, entre nós, a vivenciar e construir junto conosco os nossos dias. Palavras vivas, e "humanas"! Todo homem sábio é como "alguém" que realiza isso, torna o conhecimento das palavras uma realidade palpável na vida daqueles que o conhecem. Jesus Cristo, por exemplo; Ele não apenas afirmou que tudo o que vivia eram "Palavras de Deus", mas, mais do que isto: Ele prometeu que os seus seguidores também aprenderiam a viver estas palavras - em vida. Pois elas seriam escritas direto na alma deles, através de um relacionamento místico entre o espírito de Jesus, e o espírito deles. Eis aí algo bom pra se pensar. Boa semana. E vida sábia pra todos nós.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

a ESPIRITUALIDADE no Cinema de ANIMAÇÃO, KUBO e as Cordas MÁGICAS

Assistir a um desenho de animação é bem diferente do que passar duas horas no cinema pra ver um filme. Isso porque as histórias do cinema vivenciadas por gente de carne e osso são íntimas demais pra nós. O que já não ocorre nas animações da Disney, Pixar, Dreamworks ou da Produtora LAIKA, que já nos presenteou com os instigantes Coraline e o Mundo Secreto, e ParaNorman; e agora nos brinda com KUBO e as CORDAS MÁGICAS. Os desenhos são aqueles tipos de produção que parecem nos manter sempre protegidos de suas dores e tragédias. Tocam-nos de leve a alma e parece que ficaremos somente assim, em distante admiração, exatamente por falarem com sutileza sobre os seus dramas, só de animação. Mas, assim que suas ideias chegam ao coração, bem, o impacto é profundo, bastante. Lembro agora, de repente, de UP Altas Aventuras - pela sensibilidade, e de Coraline - pelo horror. Ambas animações com mensagens familiares muito fortes. Pois bem, a mensagem de "KUBO" surge a partir dos sensatos conselhos que oferece para aquelas situações da vida da gente que são quase imutáveis. Ou, praticamente sem chance de virem a ser diferentes do que hoje são. Os temas são bem universais e humanos, assim como todos nós: falam da morte de gente próxima, e também das doenças que só pioram o estado do paciente, mental e fisicamente. E ainda expõe a luta diária pela sobrevivência ou a necessidade de ter sempre que buscar proteção, até dos familiares. O que fazer diante de uma vida cheia de "tudo isso"? Calma, o desenho não é uma tragédia. E sua beleza artística e sensibilidade dramática garantem bons momentos pra todo mundo. De tal forma que suas realidades trágicas irão falar às nossas vidas lá no profundo da alma. O que não faz mal a ninguém. Pois fora da realidade também não se vive. A perspectiva espiritual surge de uma abordagem existencial que reconhece que nossas vidas - ou algumas situações já definidas dela, não são e nem um dia serão, vitoriosas ou histórias de conquista e solução. Pelo menos não na perspectiva de sucesso da última geração. Pois todo aquele que corre atrás da propaganda vivencial que indica uma vida de realizações ancorada em aparentes ótimas conclusões; vai, um dia, sim, se deprimir. Mais cedo ou mais breve. Eis a pertinente mensagem de "KUBO", que nos recorda a realidade daqueles tempos em que nada de novo vai ocorrer em nossa história. O que não significa que somos, todos, uns desgraçados. E também não quer dizer que não há mais vida pra nós debaixo da terra. "KUBO" apenas chama a atenção de todo mundo para um tipo de vida que existe muito por aí, e que também acontece conosco. Pois somos todos humanos, e vivemos - de verdade, dias complicados da história. Até por isso buscamos desenvolver a Espiritualidade, que procura entender o dia de hoje, sem esquecer que haverá um novo dia, amanhã - na eternidade. Compreender isso é aprender a viver como RITAG YOUSSEF, garotinha síria de 8 anos, que TUDO perdeu em seu país; mas ainda assim, afirmou que gosta de viver no Brasil, pois aqui, "NÃO TEM GUERRA"! Seja só um ser humano, simples e bom. E siga em frente.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

A Sabedoria ESPIRITUAL de São TIAGO

Umas das frases mais famosas acerca da Fé e Obras foi escrita por Tiago, no século I: "Mas alguém dirá: Você tem fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem obras, e eu, com as obras, mostrarei a minha fé." Power! Veja também, outros de seus provérbios de prosa: "quer ser considerado sábio? (...) Aprenda a viver! O que conta é como você vive, não o que você fala"; "digam não ao diabo e ele fugirá de imediato. Digam sim a Deus, e ele os atenderá na hora". Foi a partir desses ditos e provérbios oriundos da Sabedoria antiga de Israel que Tiago escreveu sua carta no primeiro século. Os primeiros pensamentos que surgem na carta são quase um projeto sapiencial de educação, pois desenvolvem um currículo escolar daqueles, tudo em um só módulo. O primeiro ensino apresenta aos alunos algo que faz parte da vida estudantil de todo mundo: os testes e as provas, que na escola da vida são frequentes e cotidianos, inesperados e casuais. São tão fundamentais pra passar de ano e se formar que os alunos devem considera-los uma oportunidade, quase um presente. Bom, a escola de São Tiago tem como objetivo principal do currículo um só desafio: o de que os alunos consigam viver suas vidas junto da Pessoa de Deus. E como só se anda com Deus pela fé, as provações e tentações serão, sempre, situações pra ver se o aluno mantém-se perto de Deus no dia a dia. Ou, ao contrário, se corre direto pra onde o nariz aponta ou em si próprio se esconde, deixando pra passar no teste mais tarde. Enfim, se o aluno bem quiser completar a graduação, pra um dia sair da escola como alguém que conheceu plenamente em sua personalidade a própria Pessoa de Deus, que bom. Mas vai ter que passar pelas provas de Fé. Que tratam sempre do mesmo assunto: confiança. A segunda matéria ensina logo a disciplina mais necessária pra qualquer um que pretende viver a vida diária do "jeito" de Deus: Sabedoria! Sim, ela mesma, a inescrutável "sofia". E o Sábio Tiago é simplório em seu programa escolar, pois, pra ele, todo aquele que deseja receber sabedoria - da Pessoa de Deus; bem, basta pedir! "Peça-a a Deus - diz ele, "que a todos dá liberalmente". Com tranquilidade e de graça. Bom, agora o currículo escolar de Sabedoria torna-se, também, um programa de Sabedoria espiritual, mística mesmo. Pois o objetivo é realizar uma conversa que somente vai acontecer entre (o espírito) de um homem e Deus (que é espírito). Qualquer dúvida leia o artigo do blog: a Espiritualidade mística das orações e preces, e aí, retorne a leitura pra cá. Interessante mesmo é ver como esta segunda matéria se aproxima da primeira, pra que se possa melhor entender o seu valor e também, sua profunda espiritualidade. É só lembrar que o primeiro teste da escola é agir com... Fé. Uma fé bem prática, só pra escolher ficar perto de Deus, ou não. Pois bem, é exatamente a Fé da primeira disciplina que o aluno precisa praticar pra receber, agora, o conteúdo da segunda - a tal Sabedoria. Pois não adianta falar com Deus e pedir Sabedoria pra melhor entender o que está acontecendo; se o pedinte, eu e você, não tiver Fé! Voltamos ao início do primeiro ano? Não. A questão é que todas as matérias já estudadas serão sempre necessárias pra que o aluno continue aprendendo, pois é uma escola de vida; não só de conhecimento, de dados. Bem, logo na segunda matéria o aluno já percebe que só o bom aprendizado da primeira faz verdadeira a experiência da segunda. Haja didática. Pois a mesma confiança que eu tive pra conseguir prestar atenção em Deus, logo será fundamental pra que a presença divina seja convidada a falar comigo - único jeito de eu receber as orientações seguintes da caminhada. Chegamos ao ponto principal, ou quase. Mas, afinal, como eu posso saber que Deus está respondendo meus pedidos? Simples. Eu preciso sentir o conteúdo da matéria que está sendo ensinada. Se a aula é de sabedoria, preciso viver isso. Pra ajudar neste momento crucial do aprendizado, bem no meio da carta Tiago descreve o que é Sabedoria: - mansidão, que é uma resiliência que aguenta a bronca por bom tempo; - humildade e respeito, que significa não julgar e nem fofocar acerca das pessoas com quem vivo; - e, admiração pelos colegas, que, ao contrário da inveja, não faz eu passar rasteira em ninguém. Quem bem esclareceu isso foi o filósofo espiritual, Caio Fábio d´Araújo Filho, quando disse: Admiração é quando você deseja ser como alguém; e inveja é quando você quer ser o "próprio"; e aí, só derrubando ele. Enfim, eu sei que estou vivendo as situações da minha vida com Sabedoria (espiritual) quando sou perseverante nas dificuldades; respeitoso com as pessoas que estão perto de mim nas aflições, e aproveito o exemplo daquele que está no mesmo barco que eu, ou parecido, pra seguir em frente. É isso! Quando eu me sentir assim, já estou vivendo as complicações da vida com Sabedoria. O restante vai ser lucro. De verdade.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

a ESPIRITUALIDADE da SABEDORIA, parte 1

Desde que o homem começou a perguntar do que é feito o mundo, e logo depois, decidiu descobrir como devemos nele viver; então, dessa emoção cerebral surgiram os filósofos. E quando os caras acertam, mais que menos, tornam-se sábios. Lá pelo ano 500 a.C, Buda pensou que só desapegando da vida pra não sofrer tanto com ela - um baita desafio existencial. Confúcio valorizou os rituais comunitários que mostravam pra turma algumas boas virtudes que os ajudariam a construir vida nova dali pra frente. Platão acreditou que pelos raciocínios idealistas da mente dava pra descobrir, e recuperar, a essência real das coisas desse mundo. E disse que até nossa alma pre-histórica nos ajuda quando queremos entender a vida como ela é. Aristóteles decidiu pensar bastante, também, mas gastou mais tempo observando o mundo, só pra anotar certas regularidades e padrões acerca de como as coisas vêm e vão. Tudo para descobrir melhores ideias pra bem fazer andar o dia a dia da gente. Há mais gente boa de onde saíram esses, mas, já temos aqui um time de respeito pra início de pensamentos. Sabedorias "espirituais", talvez, nem tanto. Isso porque Buda e Confúcio não negaram a alma, mas preferiram não convidar pessoas do além pra ajuda-los a propor suas filosofias de vida. Aristóteles jamais negou o poder superior ou uma existência suprema no cosmos, mas bem decidiu que todo conhecimento necessário pra vida está só nesse mundo, mesmo. Platão é o cara que foi (ao) além, claro. Pois uniu o raciocínio humano e a alma do homem integrando assim o entendimento racional atual às verdades eternas disponíveis aos homens. Gostaria de incluir, ainda, Erasmo de Roterdã, do século 16, que percebeu a ignorância como virtude pois liberta as pessoas das experiências que não conseguem controlar. E também disse que o relacionamento do homem com a pessoa de Deus é o início do conhecimento para qualquer um que deseje ir bem na vida. Agora, vamos colocar no mesmo quarto Aristóteles, Platão, e Erasmo, só pra melhorar o nosso entendimento da sabedoria. O pintor renascentista Rafael já uniu os dois primeiros no famoso retrato que está na Biblioteca do Vaticano, e que resume (boa) parte da história da sabedoria ocidental. Pois nele Platão aponta com as mãos para o alto, e Aristóteles para baixo. Vamos colocar Erasmo junto deles, ou melhor ainda, o Sábio Salomão. Sim, já dá pra perceber algo novo na paisagem. Platão ainda aponta para o alto, direto até o primeiro céu. E Salomão ergue suas mãos imperiais até um pouco mais adiante... lá para o Terceiro céu. Pois o primeiro céu é o lugar metafisico das ideias daqui e do além que não sabemos definir bem, de onde vêm. Já o Terceiro céu, é a morada de Deus. Pronto, chegamos aos Provérbios de Salomão, o mais belo bonitão que se conhece na história da filosofia. Pois se Platão reconheceu a alma como o "lugar" anterior da atual razão humana, e Aristóteles percebeu o mundo como fonte de ordem para um real entendimento da vida; ora, foi Salomão quem olhou para o alto e para baixo ao mesmo tempo, gastando dezenas de horas pra analisar nosso cotidiano, só pra dizer o que nele tem valor, existencial. E fez isso sempre a partir dos princípios morais de Deus. Assim são seus provérbios, então: conselhos pra vida diária ditos em frases objetivas que descrevem a virtude da existência humana a partir do jeito como Deus cuida dela. E a Sabedoria espiritual surge desta mística relação, do encontro espiritual entre um homem e um espírito de outra dimensão. Por isso que as descrições de Salomão assim se reconhecem, pois são o resultado de um relacionamento místico existencial espiritual ocorrido entre Salomão... e Deus! Continuamos...

a ESPIRITUALIDADE no CINEMA e TV - Westworld, Onde NINGUÉM tem ALMA, parte 1

Se a sua TV a cabo oferece a HBO e você ainda não assinou, chegou a hora. Acredite! Caso contrário, irá sofrer de ansiedade espiritual por um bom (mau) tempo. No domingo, 2 de outubro a série WESTWORLD estreou na TV, e se sua origem é exemplar a partir do filme cult de 1973, escrito e dirigido por Michael Crichton - o atual seriado televisivo já começou excepcional. "Westworld" é um parque temático que oferece aos visitantes pagantes a grata experiência de viver o glamour do Velho Oeste norte-americano junto a perfeitos personagens da época - todos eles, robôs. No filme original, a encrenca surgia da violência das "humanas" máquinas atacando humanos homens. Agora, bem, parece que a coisa será bem pior. A melhor resenha ética tecno humanista do seriado que li foi publicada na revista Veja (5/10), por Marcelo Marthe. Enfim, vamos ao nosso tema: a Espiritualidade dos homens; por enquanto. O drama mecânico de "Westworld" aparece quando os robôs utilizam memórias antigas pra reagir a situações inesperadas de suas "vidas" no velho oeste. A surpresa e a inquietação pôr experimentarem "sensações" para as quais não foram criados lhes deixam existencialmente "tontos". Pronto: nasceu-lhes a ansiedade existencial. Pois afinal, os robôs não foram criados pra sentir a vida como os humanos a vivem, certo? Essa sensibilidade toda não vai acabar bem. E agora, José? Ora, Salomão é quem entende (bastante) do tema. O Sábio de Israel do ano 900 a.C escreveu sobre a aparente inutilidade de uma vida cujas experiências, e até conquistas, não trazem satisfação, realização de verdade. Foi o que ele afirmou, enfático, quando disse já na velhice: Tudo é vaidade, nada faz sentido! E o Sábio não falava das derrotas e nem das maldades da vida dele, ao contrário, lembrou das boas e corretas vitórias da vida: como a satisfação do trabalho e amizades. Que quê é isso? Bom, Salomão pensa a vida da gente a partir da visão judaico-cristã que indica que nascemos todos lá no início dos tempos, junto de Deus. E também, originalmente longe das coisas que pertencem somente a Deus. Vêm daí, a confusão. Nesta perspectiva, o grande problema da humanidade não foi o pecado original de comer o fruto da maça e do sexo - até porque um nada tem a ver com o outro. A questão sempre foi... o conhecimento. Do bem e do mal! Pois era esse o tal fruto da árvore. E foi aí que os humanos, todos nós, iniciamos uma história de vida que nos aproxima dos robôs de Westworld assim que eles começam a "sentir" a vida deles. Pois do mesmo jeito que os robôs não foram criados pra sentir, também não fomos criados para "saber" todo conhecimento do bem e do mal. Parece que ao decidir saber o que só Deus até então, sabia, a raça humana esqueceu que não somos Deus pra bem conhecer, e governar; tudo que pode vir a ocorrer com a gente nesse mundo, de Deus. Eis a questão de Salomão: de que adianta, afinal, lutar por uma vida que não é exatamente a minha, história? Pois, quanto mais eu conquisto a vida que hoje vivo, parece que menos realizado com o que sou, me sinto. Daí vêm a desilusão. E um vazio que é primo irmão da depressão, existencial. É sério, isso. Pois tudo que vivi e realizei já não me preenchem bem os vazios da vida, o que só revela em mim mesmo uma inadequação pessoal, a qual não consigo mais ludibriar. Que loucura, hein... Mas, tá entendendo? Pois foi por aí a sensação dos robôs de "Westworld", a qual já tinha sido uma antiga reflexão de Salomão. Bem, com os robôs do seriado vai dar tudo certo, espero. Mas, e quanto a nós? Não fique tão inquieto, pois continuamos o tema tanto na Parte 2 de "Westworld", quanto no texto que já está no blog: a Espiritualidade da Sabedoria. Pois Salomão garante que há muita vida na Terra desde sempre pra todos nós.

sábado, 8 de outubro de 2016

a ESPIRITUALIDADE do AMOR

Como cantou Renato Russo do Legião Urbana e ensinou o Apóstolo São Paulo no primeiro século - o Amor é paciente e bondoso. Pois os pacientes nunca desistem e os bondosos se preocupam mais com os outros que consigo próprios. O Amor tudo sofre enquanto tolera qualquer coisa, e tudo crê, pois confia sempre em Deus. O Amor tudo espera já que procura sempre o melhor, e tudo suporta ao nunca olhar pra trás. Assim é o Amor... Mas, Quem é assim? Pois o Amor, por exemplo, não guarda rancor, já que não contabiliza o pecado dos outros. O que faz lembrar Pedro e Jesus, amigos quase até o fim. Mas, depois do fim, também amigos foram. Pois após três anos juntos o bom discípulo abandonou e traiu o Mestre, negando toda a história deles pôr três vezes. Mas foram três igualmente os convites que Jesus fez a Pedro para que confirmasse de novo seu amor, para juntos recomeçarem toda a amizade e sociedade que um dia tiveram. A partir daí andaram juntos de novo, até o dia de hoje, dizem. Ou seja, a proposta de viver nesta vida atitudes que tudo superam só pra andar com o próximo como se não houvesse amanhã, bem, parece que é um negócio de Deus e do Filho dele, mesmo. Daí a dificuldade inicial de compreender a força e objetivo do Amor - que sempre desafia as pessoas a olhar pra frente, levando consigo somente boas esperanças, se nada melhor existir entre elas de tudo que já lhes ocorreu. Isso é demais pra você? Algo interessante acerca do Amor é que a Oração do "Pai Nosso" promete em seus resultados que iremos experimentar o tal bom sentimento. Lembrou? Pois é lá que pedimos: Perdoa, assim como perdoamos! E lá, também, se diz: Venha o seu Reino. Seja feita a sua vontade. Tá percebendo? O Amor de Deus que o Apóstolo Paulo ensinou e que Jesus viveu junto de Pedro é uma experiência de vida oferecida aos espirituais que creem nas preces da mística Oração do Pai Nosso - e tanto acreditam que pedem esse negócio de Deus em suas vidas - o Amor. Mas, Quem é tão corajoso assim a ponto de abrir essa franquia por aqui? Bom, sempre se pode começar algum dia. Pois melhor amar que apenas falar como um poeta grego e soar como o rangido de uma porta enferrujada. Melhor amar que só revelar todos os mistérios, alguns até de Deus, pra no fim de tudo não ser nada, nada, nada, nada... Já que não soube me amar. E mesmo quem doa tudo aos pobres, se não tiver amor, ora - não vai chegar a lugar algum. Mas, que lugar é esse, ou que pessoa será aquele que consegue amar? Penso que já dá pra dizer que o Amor é um lugar que existe, sim; e o caminho é uma experiência humana que já vimos. Portanto, esta vida também já se vive por aqui. Uma Pessoa viável aos espirituais que isso pedirem no "Pai Nosso". E aí, vai Amar?

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

a Responsabilidade ESPIRITUAL pela NATUREZA

A Natureza não pensa. Só existe. Seus animais irracionais tem somente um instinto sensível com breve percepção da realidade. Já nós, os humanos, ora, nós podemos pensar. Só deveríamos pensar melhor, e bastante. Na natureza! Todos os seres vivos e todo céu, a terra e o mar – bem, eles dependem muito de nós. Não somos mais fortes e nem controlamos a natureza. Mas, a existência de tudo que vive e há nesse mundo precisam muito de nossas decisões, e atitudes. Mas, pouco planejamos e quase não decidimos (bem) a existência da natureza de todo mundo. O resultado são as (más) consequências sobre a vida humana terráquea desde sempre. E o planeta que aguente. Pois ainda que os toques científicos sobre a degradação do meio ambiente e do efeito estufa sejam exagerados – nosso mundo está mudando, sim, pra pior. Espíritos racionais como nós, vivendo num corpo físico que nos faz dependentes do mundo material, bem; deveriam assumir logo a responsabilidade sobre a natureza de que somos privilegiados habitantes. Mas não é somente isso. Não se trata só de uma lei de semear pra colher. Pois a irresponsabilidade natural não apenas nos cobra um dever quid pro quo, mas também, revela nossa ignorância interior resignada. Ora, desprezar desse jeito a estrutura cósmica que nos faz existir fisicamente como pessoas humanas demonstra, claro, uma grave imaturidade espiritual da nossa personalidade. Será impossível amadurecer espiritualmente como as pessoas físicas que somos; deixando de assumir a responsabilidade gerencial da natureza em que existimos como parte. A parte racional, especialmente. Eis o irracional esquecimento que só registra em constante certificado esta área sensível da nossa imaturidade espiritual. Não se vive bem assim. Pois jamais viveremos Espiritualmente bem com atitudes que desprezam a única Natureza onde somos chamados à gerência (espiritual) da existência.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Tende bom ÂNIMO - o ESPÍRITO sempre vence!

Ser fraco pra se tornar forte tem a ver com a humildade que faz a gente ser dependente de alguém pra chegar em algum lugar desconhecido. Ao invés de um lugar pode ser que a gente queira - ou precise, experimentar um sentimento, saber um conhecimento e até vivenciar um novo relacionamento. É sempre algo novo pra nós. O importante é reconhecer que sou incapaz e fraco pra chegar lá sozinho. Meu conhecimento e forças não irão me levar aonde preciso ir, especialmente quando "lá" é alguém que não conheço e uma "pessoa" onde jamais estive. Essa sensação de incapacidade é quase sempre uma desgraça no dia a dia da gente, e a partir disso pode vir a depressão que na verdade nos derruba pela opressão. Mas - na Espiritualidade, a experiência da fragilidade é o início do recomeço da minha história. E quem sabe, vai se tornar o princípio existencial que fará de mim um constante aprendiz espiritual. Pois sempre que sei que estou fraco, alguma coisa nova pode acontecer comigo. Algo que não está em mim, mas, na verdade, vêm daquele que vai me ensinar, enquanto também me leva e conduz. Tá entendendo? É por isso que o orgulho vêm antes da ruína, e depois da queda ainda levo coice. Mas não precisa ser sempre assim. Pense Espiritualmente, ora! Ao invés de concluir que você já não pode mais nada, quando sentir que nem levantar você consegue - enxergue logo... quem pode te ajudar. Pois é isso que Deus está falando, e fala sem parar. Seja fraco pra ser forte - junto d´Aquele que sempre é! Afinal, ao pensar que já estamos de pé, ainda não sabemos o que viemos aqui pra descobrir. Não devo acreditar que já sou mestre, quando somente aluno ainda sou. Pois somos apenas humanos. Espíritos físicos num mundo novo. Com uma vida inteira pra aprender, a viver. É desse jeito que funciona a natureza humana, espiritual. Ou, não funciona.

sábado, 1 de outubro de 2016

a ESPIRITUALIDADE da Santa CEIA dos Cristãos

Já que falamos de Espiritualidade, por que não pensar acerca da existência de uma "refeição mística" dos homens? Pois se misticismo refere-se aos encontros que ocorrem entre pessoas humanas e espíritos de outras dimensões, nada melhor que meditar no significado da mais conhecida "alimentação mística" da história: Santa Ceia - a refeição que realiza um encontro místico do Espírito de Jesus com o espírito dos cristãos. E qual é o objetivo de existir um encontro místico junto de alimentos físicos do nosso cotidiano? Não seria melhor realizar só o encontro espiritual, deixando de lado os elementos da refeição? Acontece que o objetivo dos rituais é exatamente o de materializar verdades espirituais, pra que a bênção seja melhor compreendida pela humanidade. Daí que o pão da Ceia significa o corpo de Cristo, e o cálice refere-se ao sangue de Jesus. Ao visualizar e se alimentar dos dois, o fiel partilha fisicamente de uma promessa que na verdade é espiritual: a que diz que Jesus alimenta a nossa vida... quando recebemos a dele. Parece complicado, mas não é. Leia de novo o parágrafo. Agora, importa saber que uma refeição mística é mais do que apenas um ensino prático de promessas espirituais, pois durante a refeição acontece um encontro místico entre os homens e o Espírito de Jesus, se esta for a Santa Ceia. Trata-se ainda de um encontro místico em que os homens se alimentam das virtudes de Jesus. Bem, a maior virtude de Jesus de Nazaré foi ter sido um humano que sempre viveu junto da Pessoa de Deus. Eis a virtude e o relacionamento com Deus que são só de Jesus, mas que Ele deseja transferir aos seus fiéis, os cristãos - durante a Santa Ceia, também. Daí que os que participam da Santa Ceia irão sair dela não somente com Jesus dentro de si, mas também, junto do próprio Deus, em espírito. Boa semana!